LEI Nº 1.265/2003 – Orçamento para Exercício 2004

0
126

LEI Nº 1.265/2003

DE: 03/07/03

Dispõe sobre: “Estabelece as Diretrizes Gerais Para Elaboração do Orçamento do Município de Capelinha Para o Exercício de 2004”

 

O povo do Município de Capelinha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes legais na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

 

Capítulo I

Das Disposições Preliminares

Artigo 1º – Em atendimento ao § 2º do Artigo 165 da Constituição Federal, a Lei Orgânica do Município e a Lei Complementar Federal nº 101/2000, ficam estabelecidas nos termos desta Lei, as diretrizes gerais para elaboração da Proposta Orçamentária do Município de Capelinha relativa ao exercício de 2004, que compreendem:

I – disposições Gerais para elaboração da Proposta Orçamentária;

II – diretrizes na alocação das receitas;

III – diretrizes para fixação da despesa;

IV – da proposta orçamentária;

V – dos Anexos de Metas Fiscais;

VI – das disposições gerais e finais.

 

Capítulo II

Das Disposições Gerais

Artigo 2º – A proposta orçamentária para o exercício de 2004, será elaborada conforme as diretrizes, metas e prioridades estabelecidas no Plano Plurianual e nesta Lei, observadas as normas da Lei Federal 4.320/64 e Lei Complementar Federal nº 101 de 04/05/2000.

 

§ Primeiro – Na estimativa da receita, a proposta de orçamento para o exercício de 2004 deverá utilizar como base a arrecadação dos três últimos exercícios e a previsão para 2003, acrescido da projeção de crescimento e ainda a atualização monetária dos valores.

 

§ Segundo – Na fixação da despesa serão considerados os valores vigentes em junho de 2003, observado a projeção de crescimento e atualização monetária para 2004.

 

Artigo 3º A elaboração do projeto, a aprovação e a execução da Lei Orçamentária de 2004 deverão ser realizadas de modo a evidenciar a transparência da gestão fiscal, observando-se o princípio da publicidade permitindo o amplo acesso da sociedade e todas as informações relativas a cada uma dessas etapas, promovendo a participação popular nos termos do Artigo 48 da Lei Complementar Federal 101/2000, bem como alcançar o superávit primário necessário a garantir uma trajetória de solidez financeira da administração municipal.

 

Parágrafo Único – Para efetivo cumprimento da transparência da gestão fiscal de que trata o caput deste Artigo, o Poder Executivo e o Legislativo deverão implantar e manter atualizado endereço eletrônico, de livre acesso a todo cidadão, com os dados e as informações exigidas pela Lei Federal 9755/98, bem como o Relatório de Gestão e o Resumido da Execução Orçamentária.

 

Capítulo III

Das Diretrizes Para Alocação das Receitas

Artigo 4º – Constituem as receitas do Município, aquelas provenientes de:

I – tributos e taxas de sua competência;

II – atividades econômicas, que por conveniência, possam vir a serem executadas pelo município;

III – transferências por força de mandamento constitucional ou de convênios firmados com entidades governamentais e/ou privadas;

IV – empréstimos e financiamentos com prazo superior ao exercício e vinculado a obras e serviços públicos;

V – empréstimos por antecipação de receita orçamentária;

VI – transferências oriundas de Fundos instituídos pelo governo Estadual e Federal;

VII – receitas de qualquer natureza, geradas ou arrecadadas no âmbito dos órgãos, entidades ou fundos da administração municipal;

VIII – alienação de ativos municipais;

IX – multas e juros oriundos de impostos e taxas municipais;

X – demais receitas de competência do município.

 

Artigo 5º – Na estimativa das receitas, a qual é demonstrada nos Anexos de Metas Fiscais, foram considerados os seguintes fatores:

I – a legislação tributária e os efeitos decorrentes das modificações previstas para o exercício;

II – fatores que influenciam as arrecadações de impostos e taxas;

III – os fatores conjunturais que possam vir a influenciar a produtividade de cada fonte;

IV – a atualização monetária e o crescimento econômico previsto para o exercício de 2004;

V – a média de receita arrecadada nos três últimos exercícios;

VI – os índices de participação que o município tem direito sobre a arrecadação de Tributos Federais e Estaduais.

 

Artigo 6º – as receitas municipais serão programadas prioritariamente para:

I – promover o pagamento da dívida consolidada do Município e seus respectivos encargos;

II – promover o pagamento de sentenças judiciais em cumprimento ao que dispõe o Artigo 100 e § da Constituição Federal;

III – o pagamento de pessoal e encargos sociais;

IV – promover a cobertura do déficit da previdência municipal, apurado através de cálculo atuarial;

V – promover e ampliar o acesso da população aos serviços de educação em seus diversos níveis, com especial atenção ao ensino fundamental, bem com a atenção básica da saúde;

VI – promover a qualidade e controle do meio ambiente;

VII – destinar recursos para manutenção das atividades administrativas operacionais dando ênfase a sua modernização em especial quanto à administração tributária;

VIII – atender a contrapartida de programa pactuados em convênios;

IX – atender as transferências para o Poder Legislativo;

X – promover o fomento de atividades vinculadas à vocação do município;

XI – promover a manutenção e conservação do Patrimônio Público nos termos do Artigo 45 da Lei Complementar Federal nº 101/2000.

 

§ 1º – Os recursos constantes dos incisos I, II, III, V, VII, VIII, IX e X terão prioridade sobre os demais.

 

§ 2º – O Poder executivo verificará ao final de cada bimestre se a receita arrecadada comportará o cumprimento das metas previstas para o exercício de 2004.

 

§ 3º – Ocorrendo a insuficiência de receitas para o cumprimento das metas programadas para o exercício, o Poder Executivo e Legislativo promoverão a respectiva limitação do empenho e da movimentação financeira, reduzindo a despesa proporcionalmente à insuficiência verificada, priorizando as despesas de capital, prevalecendo ainda as prioridades constantes no Parágrafo Primeiro deste Artigo.

 

§ 4º – Na determinação da limitação de empenho e movimentação financeira, o Chefe do Poder Executivo adotará critérios que produzam o menor impacto possível nas ações de caráter social, particularmente a educação, saúde e assistência social.

 

Artigo 7º – As receitas de operações de crédito previstas na proposta orçamentária não poderão ser superior à despesa de capital.

 

Capítulo IV

Diretrizes Para Fixação da Despesa

Seção I

Disposições Gerais da Despesa

Artigo 8º – Na definição das despesas municipais, serão consideradas aquelas destinadas a aquisição de bens e serviços para cumprimento dos objetivos do município e solução de seus compromissos de natureza social e financeira, levando em conta:

I – a carga de trabalho estimada para o exercício de 2004;

II – os fatores conjunturais que possam afetar a produtividade dos gastos;

III – a receita de serviços quando este for remunerado;

IV – a projeção de gastos com pessoal do serviço público municipal, com base no Plano de Cargos e carreiras da Administração Direta de ambos os poderes, da Administração Indireta e doa Agentes Políticos;

V – a importância das obras para a população;

VI – o patrimônio do município, suas dívidas e encargos;

VII – as metas constantes do Plano Plurianual.

 

§ 1º – No exercício de 2004 é vedado a criação, expansão ou aperfeiçoamento de programa de trabalho que acarrete aumento de despesa sem a verificação de seu impacto orçamentário-financeiro na lei de orçamento anual e compatibilidade com o plano plurianual.

 

§ 2º – Para os efeitos do § 3º, da Lei complementar Federal nº 101/2000 fica definido como despesas irrelevantes aquelas cujo valor não ultrapasse para bens e serviços o limite de dispensa estabelecido pela Lei Federal 8666/93.

Artigo 9º – Na programação de investimentos do Poder Legislativo e Executivo, bem como da administração indireta, serão observados os seguintes princípios:

 

I – os investimentos em fase de execução terão preferência sobre os novos projetos, observada a disponibilidade financeira do Município;

II – não poderão ser programados novos projetos à conta de anulação de dotações destinadas aos investimentos que tenham sua viabilidade técnica, econômica e financeira comprovadas, ressalvados aqueles de caráter emergencial e/ou aqueles cujo alcance mostre mais abrangente.

 

Artigo 10 – Não poderão ser fixadas despesas sem que sejam definidas as fontes de recursos.

 

Artigo 11 – Na fixação das despesas para o exercício de 2004, será assegurado o seguinte:

I – aplicação mínima de 25% (vinte e cinco por cento) na manutenção e desenvolvimento do ensino, observado o seguinte:

a) 25% (vinte e cinco por cento) calculados sobre os impostos municipais e transferências constitucionais, as quais não compõem base de cálculo para o FUDEF;

b) 10% (dez por cento) calculado sobre as transferências constitucionais, as quais serviram de base para cálculo para formação do FUNDEF;

c) 25% (vinte e cinco por cento) calculado sobre as receitas da Dívida Ativa resultante de Impostos.

 

II – as despesas com pessoal ativo, inativo e agentes políticos terão como limite máximo de 60% (sessenta por cento) da receita corrente líquida, e ainda deverá ser observado os limites prudenciais definidos na Lei Complementar 101/2000;

 

III – Aplicação mínima dos limites estipulados para gasto com a saúde nos termos da Emenda Constitucional nº 29;

 

IV – Não serão ultrapassados os limites, em percentual, para gasto com Serviço de Terceiros e Encargos tomando-se por base o percentual aplicado em 1999.

 

Artigo 12 – Os valores a serem orçados para o Poder Legislativo deverão ser compatíveis com a Legislação Federal.

 

Artigo 13 – É vedado a realização de despesas em valores superiores a arrecadação de receitas.

Seção II

Da Despesa Com Pessoal

Artigo 14 – As despesas com pessoal do município não poderão ultrapassar 60% (sessenta por cento) do total da receita corrente líquida.

 

Parágrafo Único – Serão considerados na apuração do gasto as despesas com pagamento de inativos, pensionistas, agentes políticos, detentores de cargos empregos ou funções, bem como os encargos sociais e contribuições recolhidas à Previdência Social.

 

Artigo 15 – A repartição do limite constante do Artigo anterior não poderá exceder os seguintes percentuais:

 

I – 6% (seis por cento) para o Poder Legislativo;

II – 54% (cinqüenta e quatro por cento) para o Poder Executivo.

 

Artigo 16 – Se a despesa com pessoal ultrapassar os limites estabelecidos na Lei Complementar Federal nº 101/2000, a adoção de medidas não poderá prejudicar o atendimento à saúde, educação e assistência social do município.

 

Artigo 17 – Se a despesa com pessoal atingir o nível de 95% (noventa e cinco por cento) dos limites estipulados para cada Poder, a contratação de serviços extraordinários, bem como a concessão de gratificações, fica restrito ao atendimento das atividades comprovadamente emergenciais.

 

Artigo 18 – Desde que obedecidos os limites para gasto com pessoal, definidos pela Lei Complementar Federal nº 101/2000, os Poderes Municipais, mediante lei autorizativa, poderão criar cargos e funções, alterar as estruturas de carreiras, corrigir ou aumentar remuneração dos Servidores e subsídios dos Agentes Políticos, conceder vantagens fixas e variáveis, admitir pessoal aprovado em concurso público ou em caráter temporário na forma disposta em lei.

 

Artigo 19 – A despesa com remuneração dos Vereadores não ultrapassará 5% (cinco por cento) da receita efetivamente realizada.

 

Seção III

Da Despesa Com o Poder Legislativo

Artigo 20 – As despesas do Poder Legislativo constarão da proposta orçamentária para o exercício de 2003, em programa de trabalho próprio, detalhado conforme aprovado em Resolução da Câmara.

 

Parágrafo Único – A Câmara enviará mensalmente ao Poder Executivo, balancetes mensais de execução da receita e despesa, os quais farão parte das demonstrações contábeis do município a serem publicadas e serão consolidadas para efeito da Prestação de Contas junto ao Tribunal de Contas do Estado e atendimento a Lei Complementar Federal 101/2000.

 

Artigo 21 – Os duodécimos a serem repassados à Câmara Municipal mediante transferências, terá como limite 8% (oito por cento) da receita tributária e das transferências constitucionais efetivamente realizada no exercício de 2003, nos termos da Emenda Constitucional nº 25.

 

Parágrafo Único – É vedado o repasse para atender despesas estranhas às atividades legislativas e superiores ao limite constante do caput do Artigo.

 

Seção IV

Da Concessão de Subvenção e Contribuições

Artigo 22 – A proposta orçamentária para o exercício de 2004, poderá consignar recursos, a título de subvenções e/ou contribuições, para financiar serviços incluídos nas suas funções, a serem executados por entidades de direito privado, sem fins lucrativos e reconhecidas de utilidade pública pela Câmara Municipal, mediante a celebração de convênio e tenha demonstrado eficiência no cumprimento de seus objetivos sociais, em especial aquelas registradas no Conselho Nacional de Assistência Social.

 

Parágrafo Único – Os repasses às entidades, previsto neste Artigo ficam condicionados à apresentação de:

I – projeto prévio com discriminação de detalhada de quantitativos e valores;

II – prestação de contas relativa a recursos anteriormente recebidos;

III – atestado de regular funcionamento;

IV – cópia da ata que elegeu a Diretoria para o exercício, bem como ata de reunião para apresentação e aprovação das contas do exercício anterior;

V – cópia autenticada de Certidões Negativas de regularidade junto ao INSS e FGTS.

 

Artigo 23 – A inclusão na lei orçamentária anual de transferência de recursos para custeio de despesas de outros Entes da Federação, somente poderá ocorrer em situações que envolvam claramente o atendimento de interesses locais, atendidos os dispositivos constantes do Artigo 62 da Lei Complementar Federal 101/2000, desde que firmados os respectivos convênios, acordos, ajustes ou congêneres e haja recursos orçamentários disponíveis.

 

Parágrafo Único – As transferências constantes do caput do Artigo deverão constar da proposta orçamentária para 2004 em programa de trabalho específico.

 

Capítulo V

Da Proposta Orçamentária

Artigo 24 – Na proposta orçamentária para o exercício de 2004, a discriminação da receita e despesa far-se-á constante as exigências da lei 4.320/64 e Lei Complementar 101/2000, obedecido à nova classificação funcional programática instituída pela Portaria nº 42/99 do Município de Orçamento e Gestão e da Portaria Interministerial nº 163/2001 com suas alterações.

 

Artigo 25 – As Metas e Prioridades para 2004 são as especificadas no Plano Plurianual relativo ao exercício acrescido daquelas não cumpridas em 2003, as quais terão precedência na alocação de recursos na proposta orçamentária e na sua execução.

 

Artigo 26 – O Instituto de Previdência do Município e Capelinha, terá seu orçamento em separado, o qual será incluído na Proposta Orçamentária para regular apreciações do Poder Legislativo.

 

Artigo 27 – Na proposta orçamentária para 2004, serão consignados programas de trabalho para atender ao contingenciamento de dotações, através de suplementações e ainda reserva para atendimento de possíveis passivos contingentes nos termos da Lei Complementar Federal 101/2000.

 

Parágrafo Único – A Reserva para Contingenciamento constante no caput do Artigo, não poderá ser superior a %% (cinco por cento) da programação total da despesa e a Reserva para Atendimento de Passivos Contingentes, corresponderá a 2% (dois por cento) do total da receita corrente líquida prevista para 2004.

 

Artigo 28 – A lei orçamentária conterá autorizações para suplementações e transposição de dotações, que serão observadas por ambos os poderes e a Administração Indireta.

 

Parágrafo Único – É vedado consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada.

 

Capítulo VI

Dos anexos de Metas Fiscais

Artigo 29 – São parte integrante desta lei, os Anexos, que correspondem à demonstração das metas fiscais do município, nos termos da Lei Complementar Federal 101/2000.

 

Artigo 30 – As previsões de receita e despesa para o exercício de 2004 poderão ser adequada às possíveis variações que possam ocorrer até à elaboração da proposta orçamentária.

 

Parágrafo Único – Ocorrendo a hipótese do caput do Artigo, os ajustes necessários serão realizados preferencialmente no valor da Reserva Para Contingenciamento.

 

Artigo 31 – a reserva para contingenciamento e a de atendimento a passivos contingentes, relativo à previsão da receita, serão incorporadas eqüitativamente nas rubricas de fixação das despesas.

 

Capítulo VII

Das Disposições Gerais e Finais

Artigo 32 – A Câmara Municipal enviará ao Poder Executivo, até o dia 31 de julho de 2003, o valor da previsão do montante de suas despesas para o exercício de 2004.

 

Artigo 33 – É vedado à realização de despesas com duração superior a 12 meses, que não estejam contidas no Plano Plurianual.

 

Artigo 34 – A Prefeitura fica obrigada a arrecadar todos os tributos de sua competência, bem como promover a redução dos créditos inscritos em Dívida Ativa.

Artigo 35 – Fica o Poder Executivo autorizado a promover a revisão de sua legislação tributaria.

 

Artigo 36 – O Poder Executivo e o Legislativo deverão concentrar esforços para publicação de todos os anexos relativos à execução orçamentária e financeira do município exigido, pela Lei Complementar Federal n° 101/2000.

 

Artigo 37 – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

 

Prefeitura Municipal de Capelinha, 03 de julho de 2003.

Gelson Cordeiro de Oliveira

Prefeito Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui