LEI Nº 1.263/2003 – Institui a Política Municipal de Educação Ambiental e cria o CODEMMA

0
149

LEI Nº 1.263/2003

DE: 03/07//03

Dispõe sobre: A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

 

O povo do Município de Capelinha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes legais na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

 

Artigo 1º – Entende-se por educação ambiental os processos através dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e de sua sustentabilidade.

 

Artigo 2º – E educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação municipal, devendo estar presente, de forma articulada em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal.

 

Artigo 3º – Como parte do processo educativo mais amplo, todos têm direito à educação ambiental, incumbindo:

I ao Poder Público, nos termos da Constituição Federal, da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Município de Capelinha, definir políticas públicas que incorporem a dimensão ambiental,  promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e o engajamento da sociedade na conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente;

 

II – às instituições educativas, promover a educação ambiental de maneira integrada aos programas educacionais que desenvolvem:

 

III – ao Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (COMDEMA) promover ações de educação ambiental integradas aos programas de conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente;

 

IV – às empresas, entidades de classe, instituições públicas e provadas, promover programas destinados à capacitação dos trabalhadores visando a um controle efetivo sobre o ambiente de trabalho, bem como sobre as repercussões do processo produtivo nomeio ambiente;

 

V – à sociedade como um todo, manter atenção permanente à formação de valores, atitudes e habilidades que propiciem a atuação individual e coletiva voltada para a preservação, a identificação e a solução de problemas ambientais.

 

Artigo 4º – São princípios básicos da educação ambiental:

I – o enfoque humanista, holístico, democrático e participativo;

II – a concepção do meio ambiente em sua totalidade, considerando a interdependência e integração entre o meio natural, o sócio-econômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade;

 

III – o pluralismo e diversidade de idéias e concepções pedagógicas, na respectiva da interdisciplinaridade;

 

IV – a vinculação entre ética, a educação, o trabalho e as práticas sociais;

 

V – a garantia de continuidade e permanência do processo educativo;

 

VI – a permanente avaliação crítica do processo educativo;

 

VII – a abordagem articulada das questões ambientais locais, regionais, nacionais e globais;

 

VIII – o reconhecimento e o respeito à pluralidade e à diversidade cultural existente no País;

 

Artigo 5º – São objetivos fundamentais da educação ambiental:

I – o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos;

 

II – a garantia de democratização na elaboração dos conteúdos e da acessibilidade e transparência das informações ambientais;

 

III – o estímulo e o fortalecimento de uma consciência críticas sobre a problemática ambiental e social;

 

IV – o incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania;

 

V – o estímulo à cooperação entre as diversas regiões do Município, em níveis micro e macro-regionais, com vistas à construção de uma sociedade ambientalmente equilibrada, fundada nos princípios da liberdade, igualmente, solidariamente, democracia, justiça social, responsabilidade e sustentabilidade;

 

VI – o fomento e o fortalecimento da integração com a ciência e tecnologia;

 

VII – o fortalecimento dos princípios de soberania nacional, autodeterminação dos povos e solidariedade como fundamentos para o futuro da humanidade.

 

CAPÍTULO II

DA POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Seção I

Disposições Gerais

 

Artigo 6º – Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental.

 

Artigo 7º – A Política Municipal de Educação Ambiental envolve sua esfera de ação, os órgãos, entidades e instituições educacionais públicas e privadas do sistema de ensino, os órgãos públicos da União, do Estado, do Município e em especial as Secretarias Municipais de Educação, Meio Ambiente e de Agricultura, o COMDEMA e organizações não-governamentais com atuação em educação ambiental.

 

Artigo 8º – As atividades vinculadas à Política Municipal de Educação Ambiental devem ser desenvolvidas na educação formal e não-formal, através das seguintes linhas de atuação inter-relacionadas:

I – capacitação de recursos humanos;

II – desenvolvimento de estudos, pesquisas e experimentações;

III – produção de material educativo;

IV – acompanhamento e avaliação;

 

§ 2º – Nas atividades vinculadas a Política de Educação Ambiental serão respeitados os princípios e objetivos fixados por esta lei.

§ 2º – a capacitação de recursos humanos voltar-se-á para:

I – a incorporação da dimensão ambiental durante a formação e a especialização dos educadores de todos os níveis e modalidade de ensino;

 

II – a formação e atualização de todos os profissionais em questões ambientais;

 

III – a preparação de profissionais orientados para as atividades de gestão ambiental;

 

IV – a formação e atualização de profissionais especializados na área de meio ambiente;

 

V – o atendimento da demanda dos diversos segmentos da sociedade no que diz respeito à problemática ambiental;

 

§3º – As ações de estudos, pesquisas e experimentações voltar-se-ão para:

I – o desenvolvimento de instrumentos e metodologias visando à incorporação da dimensão ambiental, de forma interdisciplinar, nos diferentes níveis e modalidades de ensino;

 

II – a difusão de conhecimentos e de informações sobre a questão ambiental;

 

III – o desenvolvimento de instrumentos e metodologias visando à participação das populações interessadas na formulação e execução de pesquisas relacionadas à problema ambiental;

 

IV – a busca de alternativas curriculares e metodológicas da capacitação na área ambiental;

 

V – o paio a iniciativas e experiências locais e regionais, incluindo a produção de material educativo.

 

Seção II

Da Educação Ambiental no Ensino Formal

Artigo 9º – Entende-se por educação ambiental no ensino formal a desenvolvida no âmbito dos currículos das instituições escolares públicas e provadas, englobando:

 

I – educação básica: infantil e fundamental;

II – educação média;

III – educação especial;

IV – educação para populações tradicionais.

 

Artigo 10º – A educação será desenvolvida como uma prática educativa integrada, contínua e permanente em todos os níveis e modalidades de ensino formal.

Parágrafo Único: A educação ambiental deve ser implantada como disciplina específica no currículo escolar.

 

Artigo 11º – A dimensão ambiental deve constar dos currículos de formação de professores, em todos os níveis e em todas as disciplinas.

 

Parágrafo Único: Os professores em atividade devem receber formação complementar em suas áreas de atuação, com o propósito de atenderem adequadamente ao cumprimento dos princípios e objetivos da Política Municipal de Educação Ambiental.

 

Artigo 12º – A autorização e supervisão do funcionamento de instituições de ensino e de seus cursos, nas redes pública e privada, observarão o cumprimento do disposto nos artigos 10 e 11 desta lei.

 

Seção IV

Da Educação Ambiental Não-Formal

 

Artigo 13º – Entende-se por educação ambiental não-formal as ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre a problemática ambiental, e à sua organização e participação na defesa da qualidade do meio-ambiente.

 

Parágrafo único – O Poder Público, em nível municipal, incentivará:

 

I – a difusão, através dos meios de comunicação de massa, de programas educativos e de informações acerca de temas relacionados ao meio ambiente;

 

II – a ampla participação das escolas, das universidades e de organizações não-governamentais na formulação e execução de programas e atividades vinculadas à educação ambiental não-formal;

 

III – a participação de empresas públicas e privadas no desenvolvimento de programas de educação ambiental em parceria com as escolas, as universidades e as organizações não-governamentais;

 

IV – o trabalho de sensibilização junto às populações tradicionais ligadas às Unidades de Conservação, bem como a todas as comunidades envolvidas.

CAPÍTULO III

Da Execução da Política Municipal de Educação Ambiental

 

Artigo 14º –  A coordenação da Política Municipal de Educação ambiental ficará a cargo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Capelinha, que será seu órgão gestor.

I – definição de diretrizes para complementação a nível municipal;

 

II – articulação, coordenação e supervisão de planos, programas e projetos na área de educação ambiental, a nível municipal;

 

III – participação na negociação de financiamentos a planos, programas e projetos na área de educação ambiental.

 

Artigo 16º – O Município, na esfera de sua competência e na área de sua jurisdição, definirá diretrizes, normas e critérios para a educação ambiental, respeitados os princípios e objetivos da Política Municipal de Educação Ambiental.

 

Artigo 17º – A eleição de planos e programas, para fins de alocação de recursos públicos vinculados à Política Municipal de Educação Ambiental, deve ser realizada levando-se em conta os seguintes critérios:

 

I – conformidade com os princípios, objetivos e diretrizes da Política Municipal de Educação Ambiental.

 

II – prioridade dos órgãos integrantes das Secretarias de Meio Ambiente, de Educação e do COMDEMA;

 

III – economicamente, medida pela relação entre a magnitude dos recursos a alocar e o retorno social propiciado pelo plano ou programa proposto.

 

Parágrafo Único: Devem ser destinados a ações em educação ambiental, pelo menos 15% (quinze por cento) dos recursos arrecadados pelo Fundo Municipal de Meio Ambiente.

 

Artigo 19º – Os programas de assistência técnica e financeira relativas a meio ambiente e educação, em nível municipal devem alocar recursos às ações de educação ambiental.

 

Artigo 20º – esta Lei entra em vigor na data de Sua Publicação, revogadas as disposições em contrário.

 

 

Prefeitura Municipal de Capelinha, 03 de julho de 2.003.

 

Gelson Cordeiro de Oliveira

Prefeito Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui