LEI Nº 1.234 / 2.002 – Criação do Conselho Mun. ANTIDROGAS

0
141

LEI Nº 1.234 / 2.002

DE: 27/09/02

Dispõe sobre: Criação do CONSELHO MUNICIPAL DE ANTIDROGAS e dá outras providências.

O Povo do Município de Capelinha, estado de Monas Gerais, por seus representantes legais na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

 

Artigo 1º – Fica instituído o CONSELHO MUNICIPAL ANTIDROGAS – COMAD de Capelinha, que integrando ao esforço nacional de combate às drogas, dedicar-se-á  ao pleno desenvolvimento das ações referentes à redução da demanda de drogas.

 

Parágrafo 1º – Ao COMAD caberá atuar como coordenador das atividades de todas as instituições e entidades municipais, responsáveis pelo desenvolvimento das ações supra mencionadas, assim como dos movimentos comunitários organizados e representações das instituições federais e estaduais existentes no município e dispostas a cooperar com o esforço municipal.

 

Parágrafo 2º – O COMAD, como coordenador das atividades mencionadas no parágrafo anterior, deverá integrar-se ao Sistema Nacional Antidrogas –SISNAD, de que trata o Decreto Federal nº 3.696 de 21 de Dezembro de 2000.

 

Parágrafo 3º – Para os fins desta Lei, considera-se:

I – redução da demanda como o conjunto de ações relacionadas à prevenção do uso indevido de drogas, ao tratamento, à recuperação e a reinserção social dos indivíduos que apresentem transtornos decorrentes do uso indevido de drogas;

 

II – droga com toda substância natural ou produto químico que, em contato com o organismo humano, atue como depressor, estimulante, ou perturbador, alterando o funcionamento do sistema nervoso central, provocando mudanças no humor, na cognição e no comportamento, podendo causar dependência química. Podem ser classificadas em ilícitas e lícitas, destacando-se, dentre essas últimas, o álcool, o tabaco e os medicamentos;

 

III – drogas ilícitas aquelas assim especificadas em lei nacional e tratados internacionais firmados pelo Brasil, e outras, relacionadas periodicamente pelo órgão competente do Ministério da Saúde, informada a Secretaria Nacional Antidrogas – SENAD e o Ministério da Justiça – MJ;

 

Artigo 2º – São objetivos do COMAD:

I – instituir e desenvolver o Programa Municipal Antidrogas – PROMAD, destinado ao desenvolvimento das ações de redução da demanda de drogas;

 

II – acompanhar o desenvolvimento das ações de fiscalização e repressão, executadas pelo Estado e pela União; e

 

III – propor ao Prefeito e à Câmara Municipal, as medidas que assegurem o cumprimento dos compromissos assumidos mediante a instituição desta Lei.

 

Parágrafo 1º – O COMAD deverá avaliar, periodicamente, as conjunturas municipais, mantendo atualizados o Prefeito e a Câmara Municipal, quanto ao resultado de suas ações.

 

Parágrafo 2º – Com a finalidade de contribuir para o aprimoramento dos Sistemas Nacional e estadual Antidrogas, o COMAD, por meio da remessa de relatórios freqüentes, deverá manter a Secretaria Nacional Antidrogas – SENAD, e o Conselho Nacional Antidrogas – CONEN, permanentemente informados sobre os aspectos de interesse relacionados à sua atuação.

 

Artigo 3º – O COMAD será constituído de 20 (vinte) Conselheiros efetivos e 20 (vinte) suplentes, sendo:

 

I – Dois representantes da Prefeitura, sendo um do órgão de saúde e outro do setor educacional;

II – Dois representantes da Câmara Municipal, sendo um da bancada de situação e outro da oposição;

III – O Juiz de Direito ou um representante por ele indicado;

IV – O Promotor de Justiça representante por ele indicado;

V – O Delegado de Polícia ou um representante por ele indicado;

VI – Um representante da Polícia Militar;

VII – Dois representantes dos Clubes de Serviços existentes no Município;

VIII – Dois representantes das Instituições Religiosas existentes no Município;

IX – Um representante da área médica;

X – Dois representantes de Associações Comunitárias existentes no Município.

XI – Dois representantes das Escolas Estaduais existentes no Município;

XII – Um representante da Guarda Mirim de Capelinha;

XIII – UM representante do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente;

XIV – Um representante do INERACT CLUB.

 

Parágrafo 1º – Os Conselheiros e seus respectivos suplentes, serão indicados por suas representações ao Prefeito Municipal que os nomearão para um mandato de 02 (dois) anos, permitida a sua recondução por igual período.

 

Parágrafo 2º – Sempre que se faça necessário, em função da tecnicidade dos temas em desenvolvimento, o Conselho poderá contar com a participação de Consultores, a serem indicados pelo Presidente e nomeados pelo Prefeito.

 

Parágrafo 3º – O COMAD terá um Presidente e um Secretário Executivo.

 

Parágrafo 4º – O Presidente deverá ser designado mediante livre escolha do Prefeito, dentre os Conselheiros efetivos.

 

Artigo 4º – O COMAD fica assim organizado:

I – Plenário;

II – Presidência;

III – Secretaria Executiva; a

IV – Comitê – REMAD.

Parágrafo Único: O detalhamento da organização do COMAD será objeto do respectivo Regimento Interno.

Artigo 5º – AS despesas decorrentes da execução da presente lei correrão por conta de dotações próprias constantes do orçamento municipal, que poderão ser suplementadas.

 

Parágrafo 1º – O COMAD, deverá providenciar a imediata instituição do REMAD – Recursos Municipais Antidrogas, fundo que, constituído com base nas verbas próprias do orçamento do Município e em recursos suplementares, será destinado, com exclusividade, ao atendimento das despesas geradas pelo PROMAD.

 

Parágrafo 2º – O REMAD será gerido pelo Órgão Fazendário Municipal, que se incumbirá da execução orçamentária e do cronograma físico-financeiro da proposta orçamentária anual, a ser aprovada pelo Plenário.

 

Parágrafo 3º – O detalhamento da constituição e gestão do REMAD, assim como de todo aspecto que a este fundo diga respeito, constará do Regimento Interno do COMAD.

 

Artigo 6º – As funções de Conselheiro não serão remuneradas, porém consideradas de relevante serviço público.

 

Artigo 7º – O COMAD providenciará as comunicações relativas à sua criação, a SENAD e ao CONEN, visando sua integração aos Sistemas Nacional e Estadual Antidrogas.

 

Artigo 8º – O COMAD  providenciará a elaboração de seu Regimento Interno.

 

Artigo 9º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

 

 

Prefeitura Municipal de Capelinha, 27 de setembro de 2.002.

Gelson Cordeiro de Oliveira

Prefeito Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui