LEI Nº 1.163/2000- Fixação Remuneração Vereadores 2001

0
128

LEI Nº 1.163/2000

DE: 03/10/2000

Dispõe sobre: Fixação de remuneração dos vereadores do Município de Capelinha para legislatura a iniciar-se em 2001.

A Câmara Municipal no uso de suas atribuições legais, em especial aos dispositivos dos artigos 29, 29-A, 37 e 39 da Constituição Federal, aprova e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

 

Art. 1º – Os subsídios dos Vereadores à Câmara Municipal de Capelinha, para a legislatura a iniciar-se em 2001 é fixado em valor correspondente a 30% dos subsídios dos Deputados Estaduais, sendo neste ato equivalente a R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais).

 

Art 2º – Os subsídios do Vereador em exercício da Presidência da Câmara Municipal de Capelinha, durante a legislatura a iniciar-se em 2001, é fixado em valor correspondente a R$ 3.000,00 (três mil reais).

 

Art. 3º – O subsídios fixado nesta Lei será devido ao vereador pelo exercício do mandato e comparecimento às reuniões com efetiva participação nas votações e deliberações.

 

Art. 4º – Ocorrendo a necessidade de realização de reuniões extraordinárias durante o recesso legislativo, estas serão remuneradas até o limite máximo de 04 (quatro) reuniões por sessão legislativa, em valor correspondente a 15% dos subsídios.

 

Art. 5º – É vedado o pagamento de reuniões extraordinárias realizadas durante os períodos da sessão legislativa ordinária anual.

 

Art. 6º – Para cálculo dos subsídios devidos aos Vereadores no início da legislatura, será aplicado o percentual constante no artigo 1º desta Lei sobre os subsídios dos Deputados Estaduais em janeiro de 2001, mediante declaração da Assembléia Legislativa do Estado.

 

§ 1º – O valor dos subsídios devidos aos vereadores serão revistos anualmente na mesma época e percentual de aumento dos servidores públicos municipais.

 

§ 2º – Deixando os setores competentes de atualizarem na forma deste artigo o subsídio de que trata esta lei, serão devidas, a qualquer tempo, as diferenças apuradas e corrigidas pela transformação do valor original por número de UFIR – Unidade Fiscal do Imposto de Renda.

 

§ 3º – Ocorrendo a aplicação de índices diferenciados para o aumento dos servidores públicos do Município, serão os subsídios dos agentes políticos atualizados na base em que o forem os vencimentos do cargo de maior nível do Quadro de Pessoal da Prefeitura do Município.

 

Art. 7º – O total da remuneração dos vereadores e servidores na atividade do Poder Legislativo, não poderá ultrapasse 5% da receita orçamentária do Município.

 

Art. 8º – O total das despesas com folha de pagamento dos Vereadores e servidores na atividade do Poder Legislativo, não poderá ser superior a 70% das receitas da Câmara Municipal.

 

Art. 9º – Fica a Mesa Diretora da Câmara Municipal autorizada a promover a redução dos subsídios dos Vereadores, bem como a remuneração e preenchimento de cargos comissionados, caso sejam ultrapassados os limites constantes dos artigos 7º e 8º desta Lei:

 

Art. 10º – O pagamento de diárias de viagens será fixado mediante Resolução de iniciativa da Mesa Diretora da Câmara Municipal.

 

§ 1º – Os controles de despesas com os Agentes Políticos – Vereadores, serão processados em pasta, com o arquivo mensal da memória de cálculo procedida mês a mês e o demonstrativo do comprometimento face à receita da Câmara Municipal.

 

§ 2º – O procedimento de que trata o parágrafo anterior aplica-se às despesas com servidores, devendo o controle interno apurar a regular obediência aos limites constitucionais, indicando medidas de adequação dos gastos.

 

§ 3º – Das despesas de pessoal será enviada mensalmente, informações ao Executivo Municipal, até o último dia do mês subseqüente ao do pagamento das folhas e das obrigações patronais.

 

Art. 11º – Para efeito de desconto por faltas a reunião ordinária ou extraordinária não remunerada será descontado o valor correspondente a 25% do subsídio relativo ao mês em que ocorrer a ausência.

 

Art. 12º – As despesas decorrentes desta Lei correrão por conta de dotações próprias dos Orçamentos correspondentes à sua vigência.

 

Art. 13º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

 

Prefeitura Municipal de Capelinha, 03 de outubro de 2000.

 

Gelson Cordeiro de Oliveira

Prefeito Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui